quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

A rosa do mundo

Esta é mais uma das músicas que busco em LPs que não existem. O nome da banda era Leniap. Por quê? Um dia explico.
A rosa do mundo

Todos os dias ele sonha ser artista
Mas Ferrugem sabe ser este, talvez
O mais impossível dos sonhos
E quem sabe não é por isso
Que este sonho é tão bom?

Entre todos os meninos deitados ao relento
Ferrugem se destaca pela boa conversa
Pelo carinho que tem com os demais
E pelas histórias marcadas
De mulheres que sofrem
Das chacinas que, por sorte, escapou
Da fome e do frio que passou
E do cheiro da cola

Ferrugem sabe que não tem futuro
Que não há destino
Sequer outro rumo
Mas existe um sonho:
O de ser um artista!

O de ser um artista.

3 comentários:

Acantha disse...

História antiga, tão modernamente bem contada! Amei, MARCELO!!!

Vais disse...

fico me perguntando, por que será que umas coisas não mudam com o tempo, não evoluem...
Cadê a vontade, a ousadia, o peito...
abração

sandra camurça disse...

Ele é artista! Ele é poeta!

Leniap...Painel?

Beijos, poeta!