sábado, 29 de setembro de 2007

Os porta-retratos

Roubei este lindo poema em prosa num dos sítios que costumo ir sempre. Blogue bom é igual chope bem tirado. E esse barzinho de poemas ao vivo que freqüento é facilmente encontrado, chama-se Sétima Letra.
http://rodruhens.blogspot.com/



...mas, por fidelidade ao acontecido e mesmo que o acontecido seja um arrazoado de infidelidades, sua foto sempre fez morada à cabeceira da minha cama,


mesmo que a minha cama tenha sido palco e tantas vezes arena,


mesmo que nessa arena eu tenha sido estraçalhada e meus despojos alimento de sua fera esfomeada, mesmo assim, a sua foto.


seu sorriso bêbado, tropeçando em dentes trôpegos, vislumbrando a língua bífida pois capaz de vilanias e heroísmos,


seu olhar de peixe morto, congelando meus anseios, espantando a esperança pois capaz de não me ver,


seu peito nu, seus braços fortes, suas mãos que feito garras do peito me arrancaram o ofertado coração.


...mas, por fidelidade ao acontecido, sua foto hoje foi fazer morada na lata do lixo.


Mesmo que seja eu a lata onde mora o lixo que é você.

4 comentários:

Jens disse...

Opa, beleza. Valeu.

Lado B disse...

fidelidade a dor (que é uma forma de encontro, né?)

Fernanda Passos disse...

A Ro é fantástica! Fico deslumbrada quando leio seus escritos.
Um beijo Marcelo.

sandra camurça disse...

Puxa, muito bom!

Marcelo, muito grata pelas suas palavras sempre tão sensíveis lá no meu refúgio.

Um beijo grande,
acho que tou mais forte.