terça-feira, 31 de julho de 2007

Falta de noção movimenta o mundo?

Para os que acham que as coisas em terra brasilis acontecem por acaso, dêem uma olhada no blog do jornalista Pirata (http://www.zinedopirata.blogspot.com/), na série Diário de bordo – resistência, e na notícia do jornal O Globo de ontem (30 de Julho, pág. 11 – O país): Rádios comunitárias são loteadas por políticos.
As rádios comunitárias nasceram e foram crescendo sob uma couraça ideológica fascinante: assim como a Internet, tal veículo destacava-se pela independência; por ser um veículo de acesso direto ao cidadão, ao povo, seu alcance era o que estava à sua volta e dela se nutria para produzir o que dizia respeito e era útil à determinada comunidade. Com o tempo esse processo começou a irritar certas “autoridades” que nela viam uma “arma perigosa” para a democracia, para o espaço aéreo, para as tartarugas marinhas, enfim, para todo e qualquer problema que abalasse o território nacional, tudo era culpa das rádios comunitárias. Os donos, idealizadores e funcionários que se opuseram ao fechamento ou torceram o nariz para o que estava a acontecer com tais rádios e no que se transformariam, foram marginalizados, exorcizados e colocados em descrédito. Assim como Pirata, Jorge Kajuru, Vais e outros, muitos tiveram que encarar uma dura realidade: nosso país é mais democrático para uns que para outros.
Se os sinais de tais rádios prejudicam os vôos comerciais, está explicado o porquê de tanta gente culpar o Governo pelo acidente com o airbus da TAM (os vários acidentes, é bom lembrar): como as comunitárias passaram para as mãos de políticos, nada mais justo que os culpar pelas tragédias aéreas e de urnas de agora em diante, só falta saber se terão o mesmo tratamento, pela polícia federal, que tiveram antigos donos e funcionários.
Ainda de acordo com o jornal, 50,2 % das concessões em cinco anos foram outorgadas a entidades controladas por parlamentares. Lindo, não? E todos os riscos e atentados contra os elefantes africanos e rachaduras nos prédios da Malásia causados pelos sinais das rádios comunitárias? Esqueçam isso, gente, agora que tais rádios estão sob batuta de políticos, até os sinais de tais veículos ficaram mais inofensivos, maleáveis. Contudo, agora, eles, os sinais, cobram jetons.

4 comentários:

Fernanda Passos disse...

Boa Marcelo. As rádios comunitárias(que poderiam ser um ótimo canal de democratização da comunicação) se transformaram em mais uma ponta do grande iceberg que sustenta políticos sem nenhum compromisso com o povo(só com eles mesmos). Infelizmente.
Bom ver você de volta no meu canto.
Bjs.

Pirata Z disse...

Faço minhas as palavras de Polônio, em Hamlet:
- "Há método nessa loucura".
Na condição de quem ajudou a zelar pela saúde e integridade do embrião disso tudo, lamento, e muito, e como, ver no que a "criança" se transformou.
Baita abraço, Professor.

Vais disse...

Olá Professor,
salve, esse assunto é um vulcão
Certas coisas eu não compreendo muito bem, ou eu quero que seja assim por ser mais ameno, é o caso de ainda hoje poderem usar de forma massiva mentiras deslavadas, contrariando as leis da física, sobre o espectro, e olha que estão dando a ele até discernimento.
E mesmo esses politiqueiros-donos-das-rádios-comunitárias, o que é uma discrepância, uma incoerência uma rádio comunitária ter um dono, se for falar das posses, penso que ficaria melhor usar, então, dona, pois é a comunidade que a tem, o meio, o instrumento.
E o clube dos patrões (valeu Jean)sabe disso, e até quando puderem usarão dos meios e das formas.
Abração Marcelo

Jens disse...

Marcelo:
No Brasil, como sempre, as boas idéias de cunho popular não resistem por muito tempo à ação predadora da da elite cansada e rapinante.
Um abraço e uma boa semana.