sexta-feira, 26 de junho de 2009

Se correr o bicho pega…

Na edição de ontem, 24/06, O Globo conseguiu ultrapassar qualquer limite de razoável.
.
Por: LUIZ NASSIF
Postado no blogue da PETROBRÁS
.
Dá manchete sobre uma investigação do procurador Mário Lúcio Avelar contra Wilson Santarosa, da Petrobras, em função do episódio dos aloprados. Diz que o procurador pediu a quebra do sigilo telefônico.
Estranhei. O episódio é de 2006, resultou em inquérito da Polícia Federal, que chegou até o Supremo. Na época foi noticiado que havia sido pedido a quebra de sigilo telefônico. Pensei: será que Mário Lúcio abriu um inquérito em cima do inquérito?
Nada disso. O “furo” de O Globo se refere ao episódio de 2006, mesmo. A matéria foi escrita de uma maneira a dar impressão de que tinha alguma capítulo novo, um novo inquérito. Nenhum. Pegaram uma matéria velha e manipularam para dar a impressão de novidade.
Onde está a armadilha na qual o jornal se enredou? A própria matéria afirma que há um inquérito correndo em segredo de justiça e que chegou até o Supremo. Depois, informa que Santarosa falou 16 vezes com Hamilton Lacerda.
Olha a fria:
1. Se a informação for correta, houve quebra do sigilo do inquérito, o que comprometeria o procurador.
2. Se a informação for incorreta, houve uma falsa acusação ou, no mínimo, (mais) uma barriga.
Ou seja, se correr o bicho pega, se ficar, o bicho come.
.
Clique aqui para ler matéria da Folha, de 8 de junho, antecipando que os senadores da oposição iriam levantar esse tema assim que a CPI fosse aberta. O Globo não dá essa informação.
.
Leia aqui a íntegra do post no blog do Nassif, bem como os respectivos comentários.

3 comentários:

Jens disse...

Marcelo:
o PIG, do qual O Globo é um ilustre integrante, perdeu completamente a compostura. No desespero, faz qualquer jogada para desgastar o governo Lula.
Bom também não esquecer dos interesses que estão em jogo por trás dos ataques à Petrobrás: os contratos milionários para a exploração das camadas do pré-sal. Quanto se trata de grana graúda, a elite e seus áulicos (a grande imprensa) desconhecem limites éticos. Do pescoço pra baixo e tudo canela.

Um abraço.

adelaide amorim disse...

Quando se diz que alguma coisa é feita ou escrita por motivos políticos, pode-se esperar qualquer baixaria. Mas não deveria ser assim, não é mesmo? A política é uma atividade como qualquer outra e tem princípios éticos a serem respeitados. Aqui na terrinha, política passou a ser sinônimo de corrupção, mentira e maucaratismo.

Beijo procê, Marcelo.

BirdBardo Blogger disse...

Olha o golpe ae gente!!!