sexta-feira, 4 de abril de 2008

Homeopatia contra a Dengue?

Esta notícia está correndo pelos correios eletrônicos em velocidade-luz. Recebi dois e repasse-os. Contudo, vale uma pesquisada mais complexa, chacagem de fontes, informações, etc.
Repasso por aqui porque saiu em jornal conceituado (O Globo) e está na página da Prefeitura de Macaé - RJ.
_____________________________________________
E neste ofício aqui: INFORMATIVO SAÚDE PÚBLICA Nº 44 - 26/03/2007
.
Depois de Cuba, Paraguai descobre homeopatia antidengue de Rio Preto
.
Uma experiência que deu certo. As gotinhas contra a dengue foram mais reconhecidas em Cuba do que no Brasil. Depois de ter contato com o medicamento, o país de Fidel Castro elevou o complexo homeopático contra a dengue, testado pioneiramente em Rio Preto, em 2001, à categoria de tratamento padrão nos casos de epidemia. O complexo foi aplicado em em Havana e Camaguey. Os próximos a buscarem o modelo homeopático rio-pretense no tratamento da dengue são os paraguaios. Um médico especialista em homeopatia de Assunção, capital do Paraguai, procurou pela Secretaria de Saúde de Rio Preto a fim de acompanhar o desenvolvimento do tratamento homeopático contra a dengue no município. O secretário de Saúde, Arnaldo Almendros, confirmou saber do interesse de Assunção no complexo homeopático. “Realmente entraram em contato conosco por meio do médico Renan Marino”, diz.

Os paraguaios devem desembarcar na cidade em abril, segundo informações do médico responsável pela introdução do tratamento homeopático no sistema municipal de saúde, professor da Faculdade de Medicina de Rio Preto, Renan Marino. O médico paraguaio, Carlos Carrillo, confirma o interesse do país em conhecer o tratamento implementado pela secretaria rio-pretense. “Gostaríamos muito de olhar mais de perto o trabalho do médico Renan. Eu estou tentando ir para Rio Preto no próximo domingo ou na segunda e terça da semana santa. dependendo dos vôos para São Paulo.” No Paraguai, em todo o país, os casos notificados pelo Ministério da Saúde são de 300 diariamente. Oficialmente, um total de mais de 20 mil casos informados. O país vive a pior epidemia de dengue dos últimos tempos. “Apesar desses serem os números oficiais, calculamos cerca de 160 mil pacientes com dengue neste ano”, diz Carrillo.

Troca de experiência

Cuba foi o primeiro país a implantar a forma de tratamento de epidemia contra a dengue testado pioneiramente em Rio Preto, no bairro Cristo Rei, em 2001. Em outubro, o país enviou representantes a Rio Preto a fim de relatar a experiência que tiveram com o complexo. Por causa da homeopatia, em junho do ano passado, uma epidemia foi contida no país. “Relatamos nossa experiência do complexo contra a dengue em Cuba, em 2003. Desde então, eles têm feito experiências para a implantação do tratamento, que foi feita no ano passado com sucesso”, explica Marino.

Os dados estatísticos com o resultado da utilização do medicamento em Cuba devem ser apresentados em um congresso naquele país, em abril. “Cuba utiliza o medicamento com base a experiência desenvolvida em Rio Preto. Em setembro, haverá um encontro entre Brasil e os cubanos para trocarmos experiências da utilização do complexo nos dois países”, explica o presidente do Instituto Homeopático François Lamasson, professor Izao Carneiro Soares.

Corrida contra a dengue

Se o modelo de tratamento contra a dengue de maneira homeopática chama a atenção de países vizinhos, muito mais de municípios brasileiros. Apenas ontem, mais de 40 municípios buscaram informações junto à Secretaria de Saúde de Rio Preto sobre o complexo homeopático. Pessoas de cidades da região têm vindo a Rio Preto a fim de ter acesso ao medicamento. Ontem, a Secretaria de Saúde registrou 972 pacientes de municípios vizinhos que procuraram o complexo homeopático nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs). Foram 300 pessoas na UBS Central, 372 no Vetorazzo e 300 na UBS do Solo Sagrado. Alguns chegam a fretar ônibus para vir às UBSs.

“Não podemos negar atendimento a ninguém. Se a pessoa apresenta o comprovante de residência de um familiar ou alega que esqueceu o comprovante, temos de atender”, explica o coordenador da Vigilância Epidemiológica, Eduardo Lazzaro. A intensa procura por parte de pacientes de fora de Rio Preto tem complicado o atendimento nas unidades de saúde, segundo Lazzaro. A secretaria, no entanto, ainda não tem uma medida para coibir essa busca pelo medicamento.

Complexo ajuda a combater dengue

Professor da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp), o homeopata Renan Marino é o responsável pela implantação do tratamento homeopático no sistema municipal de saúde de Rio Preto para os infectados pelo vírus da dengue. A medida é fruto da dissertação de mestrado desenvolvida por Marino que, inicialmente, não foi aceita por tratar de homeopatia. A persistência do médico fez com que em 2001, o modelo fosse implantado com sucesso no bairro Cristo Rei. Os resultados do tratamento com o complexo homeopático na saúde pública rendeu uma publicação na revista Pesquisa Homeopática e a aprovação da dissertação de mestrado em 2006, pela Famerp.

Diário da Região - Como funciona a homeopatia no controle de epidemias?

Renan Marino - Cada epidemia tem um quadro que a homeopatia tem de atender. O complexo homeopático é o retrato do que nós temos de atender. No caso da dengue, por exemplo, pode ser que daqui a seis meses o gênio epidêmico tenha mudado, então vamos ter de mudar também o medicamento. Tem de ser feito um acompanhamento epidemiológico e análise constante do gênio epidêmico.

Diário - O complexo teria de se adequar a situação de cada região?

Marino - O ideal seria se fosse feito isso. Há quadros bem semelhantes em vários lugares. No caso de dengue hemorrágica o complexo cobre 99% das ocorrências, por causa do Crotalus e o fósforo. Os agentes são combinados ou indicados de acordo com o desenho da epidemia. A homeopatia individualiza a epidemia, uma vez que cada uma tem um comportamento. A partir do diagnóstico que se faz, do gênio epidêmico que está em ação é que se seleciona a medicação.

Diário - Como foi desenvolvido esse medicamento?

Marino - A partir da minha dissertação de mestrado cujo título é Homeopatia e Saúde Coletiva: Contribuição ao Estudo das Epidemias. Nela, defendo que a homeopatia pode e deve, com vantagem, ser aplicada na saúde pública especialmente em epidemias. O medicamento é feito a partir da situação que se tem em uma determinada população. Chegamos a esse medicamento pela análise da situação de Rio Preto: uma cidade de 400 mil habitantes que já teve 100 mil casos de dengue pelo tipo 1 ou 2 e agora apresenta casos do tipo 3. São 100 mil pessoas altamente suscetíveis ao caso hemorrágico. Baseado nisso foi montada a equação do complexo homeopático.

Diário - Na realidade, a criação do senhor não é o complexo, mas a aplicação da homeopatia na saúde pública?

Marino - O complexo nós elaboramos a partir do diagnóstico da atual epidemia. Ela exige um acompanhamento epidemiológico porque daqui a seis meses, se mudarem as incidências, vamos ter de mudar os medicamentos. Depende das características dos casos.

Diário - O que Cuba importou de Rio Preto?

Marino - Só o modelo homeopático que nós aplicamos em nível de grande população. Aqui pioneiramente, houve o modelo de um bairro inteiro que deu certo.

Diário - Oficialmente o modelo já foi exportado?

Marino - Foi elaborado um documento oficial com referências do que a gente tem feito. Como é uma coisa nova o fato de uma cidade implantar o tratamento homeopático em todas as unidades de saúde, talvez seja um caso inédito no mundo, como medida complementar. Como é um caso inédito e tomamos as decisões, aprendemos com o processo. No protocolo, vamos divulgar o que aprendemos, o relato de como fazer, o que faríamos diferente ou o que não compensa no processo.

12 cidades estão com epidemia

Mais duas cidades próximas a Rio Preto atingiram situação de surto epidêmico de dengue - Bady Bassitt, que está com 73 casos confirmados da doença e Ibirá, com 36 doentes. Ao todo, 21 municípios paulistas - 12 deles localizados na região - já registram epidemia de dengue e suspenderam a coleta de sangue para notificação da virose. Segundo o Centro de Vigilância Epidemiológico do Estado de São Paulo (CVE), todo município paulista que atingir a média de 300 casos de dengue para cada 100 mil habitantes deve suspender a coleta de sangue para certificação da doença. A partir daí, novos casos passam a ser diagnosticados apenas por avaliação clínica e epidemiológica.

No caso de Bady Bassitt, por exemplo, a taxa de incidência de dengue já é de 460 casos para cada 100 mil habitantes. Em Ibirá, a incidência é de 360 casos para cada 100 mil habitantes. Bebedouro e Mirassol já registraram um caso de dengue hemorrágico cada. No Hospital de Base de Rio Preto, dois pacientes - um de Andradina e outro de Mirassol - continuam internados com suspeita da variação mais grave da doença. Outro suspeito, de Nova Aliança, teve alta anteontem. Rio Preto continua com 597 confirmados da doença. Hoje, devem ser divulgados novos casos.

Fonte: Diário da Região
.
___________________________________________
Segue, abaixo, o e-mail de recebi:
Saudações fraternais queridos amigos.
Esta semana trabalhando no combate à dengue conheci uma senhora que disse-me ter uma fórmula, que recebeu pela net, de um medicamento que imuniza contra a terrível doença, ela tinha um disurso político e falava que uma determinada empresa não divulga a fórmula por estar faturando alto com os sintomas, bom, de qualquer forma encaminho.
Telefonei para a farmácia (2224 4647) e fui informado que a fórmula já é utilizada a algum tempo com sucesso pelos usuários.
Cada dose única ao custo de R$ 2,10, deve ser tomada de forma sublingual, ao deitar, de 'seis em seis meses'.
REPASSANDO...
Todo mundo sabe que está havendo uma epidemia de dengue no Rio, né? O que nem todo mundo sabe é que existe um remédio homeopático preventivo contra a dengue, muito simples de fazer e de tomar. As Secretarias Municipais de Saúde de algumas cidades do estado do Rio e outras de São Paulo, além de Cuba, que parece ter importado pra lá a receita desenvolvida por médico brasileiro sanando o problema da dengue com sucesso desde 2003, ofereceram este remedinho nos postos de saúde, mas as Secretarias Estaduais de Saúde, provavelmente sofrendo a maior pressão dos grandes laboratórios (o tylenol não deve ter deixado barato), entraram com processo contra essa prática, sem no entanto vencer a causa. Macaé e Silva Jardim, no Rio, e são José do Rio Preto, em São Paulo, são os exemplos que tenho na memória agora, se quiserem, podem pesquisar no Google, como eu fiz, pra conferir.
Bom, então, como meu homeopata me deu a receita pra essa prevenção contra uma doença ridícula, mas que pode matar, decidi passar pra vocês.
Eu já encomendei e já tomei. Não tem efeito colateral, hipertenso, diabético, grávidas e etc podem tomar sem medo. Só criança abaixo de 2 anos é que deve ligar para ele para saber a dose certa (Sergio Crivano 2258 6506). Ele vai atender de ótima vontade porque está preocupadíssimo com o surto de dengue e com o número de crianças que estão morrendo. E a gente nem fica sabendo...
De seis em seis meses, cada pessoa toma a seguinte fórmula ao deitar:
Solicitar uma fórmula em papel de Eupatorium Perfoliatum CH 30, Crotalus Horridus CH 30 e Phosphorus CH30
(são os três elementos em 30 ch ÃÃ no mesmo papel).
Segue endereço da única homeopatia que usa matéria-prima de qualidade para esse medicamento: (não estou ganhando 10% e nem o médico...rs)
Homeopatia Átomo
Rua Uruguaiana, 39 sobre loja Tel. (021) 2224 4647
Pode pedir por telefone e o papel para cada um da família.
Assim, podemos até contrair dengue, mas ela vem mais branda. Se a contrairmos, o tratamento é feito com o mesmo medicamento homeopático, mas em gotas, três vezes ao dia, parece que por sete dias (melhor consultar seu homeopata, nesse caso, ok?). Segundo o meu médico, em três dias o paciente melhora!!! Esse tratamento já é feito em muitos lugares desde 2002, mas não é divulgado... (2002 foi o ano em que tive dengue, e durou uns 7 dias pra eu melhorar!!)
Tomara que vocês aprovem minha iniciativa e, assim, a divulguem também, porque se trata de um problema que pode atingir a todo mundo, então vale a pena ajudar, certo?
Desculpem se exagerei...
PS: Segue uma reportagem só que peguei na internet procês verem como funciona o remedinho. Na matéria, é usada gotinha, porque é nos postos de saúde.
Rio Preto vai combater dengue com homeopatia terça-feira, 6 de fevereiro de 2007, 16:38h.
Nos próximos dias, a prefeitura vai disponibilizar em todas as unidades de saúde 100 mil doses de um complexo para os dois tipos da doença.
Chico Siqueira, ESPECIAL PARA O ESTADO, ARAÇATUBA, São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, vai combater a dengue com homeopatia. Nos próximo dias, 100 mil doses de um complexo homeopático serão distribuídas nas 23 unidades de saúde da cidade.
O objetivo é tentar bloquear a doença, evitando uma epidemia e tratando os moradores contra a dengue dos tipos clássica e hemorrágica. No ano passado, o município contabilizou mais de 12 mil casos de dengue. Neste ano, já há mais de 300 casos suspeitos e 60 confirmados.
A aplicação será feita em uma dose sublingual. Qualquer morador poderá receber o complexo, formado por três tipos de medicamentos: o Eupatorium 30 CH, retirado de uma planta americana, o Crotalus horridus 30 CH, veneno de uma cobra cascavel americana, e o phosphoros 30 CH, fósforo mineral.
'O Eupatorium já é usado e tem resultado comprovado contra a dengue clássica, o Crotalus é acrescentado para combater a dengue hemorrágica, e o fósforo mineral é usado no controle da coagulação do sangue', explica o médico homeopata Renan Marino.
No ano de 2001, em caráter experimental, 2 mil doses de Eupatorium 30 CH foram aplicadas no bairro Cristo Rei, que era o mais infectado, reduzindo os casos da doença drasticamente. Hoje, o Cristo Rei é dos bairros com menos casos de dengue na cidade.
Segundo a Secretaria de Saúde municipal, o uso da homeopatia foi motivado pelos resultados observados em Cuba.
EXPERIÊNCIA.
No ano passado, médicos cubanos usaram o modelo de aplicação do Eupatorium 30 CH desenvolvido por Marino para combater uma epidemia de dengue que lotou os leitos hospitalares de Havana. Além disso, o médico foi contratado para desenvolver uma vacina bioterápica contra a dengue no país a partir de abril.
Marino havia apresentado o modelo no Congresso Pan-Americano de Homeopatia, em Havana, em 2003.
O diretor técnico da secretaria, Antônio Caldeira, diz que a cidade já tem postos que disponibilizam remédios e tratamento homeopático, mas que esta será a primeira vez que ele estará em todas as unidades.
Segundo ele, enfermeiros e médicos da rede municipal foram treinados para aplicar o produto, cujo custo por unidade será de R$ 0,01. As 100 mil doses custarão apenas R$ 1 mil para os cofres públicos.
Cada morador que receber a dose deixará registrados nome, endereço e outros dados na unidade. Esses dados serão usados posteriormente para elaboração de estatísticas sobre a doença no município.
Outra cidade que poderá adotar o uso do complexo é Ribeirão Preto. A Secretaria de Saúde do município deverá assinar um convênio com o Instituto de Homeopatia Lamasson, do qual Marino é um dos pesquisadores responsáveis.

Um comentário:

adelaide amorim disse...

Marcelo, nosso homeopata de plantão, o Eduardo Barbosa, que dá consultas na Voluntários da Pátria n. 20, em Botafogo, Rio, receita Phytolacca Decandra em tabletes, duas pela manhã e duas à noite.
Barbosa foi chefe do departamento de homeopatia da Santa Casa de Misericórdia aqui do Rio durante muitos anos e tem conseguido ótimos resultados com as crianças aqui da família.
Quanto à situação da Saúde no Brasil e no Rio em particular, é vexaminosa mesmo. Como é que doenças endêmicas já erradicadas voltam desse jeito? Osvaldo Cruz deve estar dando pulinhos no túmulo. Tomara que puxe os pés dos reponsáveis (que nunca morrem de dengue). Como diz João Ubaldo, estão aproveitando pra exterminar não o mosquito, mas os pobres, que dão muita despesa ao governo.
Beijo pra você