terça-feira, 29 de abril de 2008

Acantha


.
Acantha Sirte,
esse é o seu nome,
mas, agora, onde anda?
Por que ruas, nuvens?

Acantha bruxa
Observadora atenta
Da raridade do mundo
Da banalidade do homem

E agora, onde observa?

Queria fazer um poema
Mas sei lá fazer isso
Mas sei lá dizer isso:
Você faz falta.

4 comentários:

Vais disse...

Nossa Professor Marcelo,
menino, que susto, ou que surpresa de ver o perfil do cabelo espetado
Mas que emoção do seu carinho para com a Acantha, lindo, bacana, comovente, parabéns Professor.
Me dá um oi aqui vaisfernandes@yahoo.com.br.
Abração

Moacy Cirne disse...

Acantha merece... E Vais também. Abraços.

Loba disse...

então... poesia é sentimento, é emoção. vc expressou bem, bonito, sentido!
beijo

adelaide amorim disse...

E por falar em Acantha, tentei o link do Banalidades e fui barrada =o/
Por que a menina tá assim seletiva? Caramba, também gosto de montão de ler os textos dela.
Beijos de festas, ano novo muito feliz!