quinta-feira, 8 de janeiro de 2009



Quer-se o último instante? O brilho que, menos intenso, revela a morte? Por que túnel passar? Estamos todos seguros neste mundo de ninguém? Certo-e-errado é tão simples assim? Duvido que a minha noite tenha sido serena. Eu ainda estou vivo e, isto, é prova suficiente de que nada me traz serenidade. Estar vivo é uma eterna luta entre o sofrer e a ansiedade de querer ser feliz.
Estou na grande metrópole a procura da “Flor” de Drummond, reluzo diante do tédio, do nojo e do ódio. Gaza está dentro de mim. Não estou pró nem contra. Judeus, Palestinos, exército israelense, Hamas, Hezbollah. É tudo uma merda. Quando os jornais colaram na primeira, na segunda, na terceira e na trigésima terceira páginas a morte de cento e cinquenta na Faixa, quatrocentos haviam sido exterminados no Congo, mas o Congo importa? Mas o homem importa? Mas a notícia é humana? É tudo uma merda e Gaza não sai de dentro de mim, com seus estilhaços, seus gritos, suas crianças.
Quer-se o último instante? Mas o tempo existe? Mas o mundo existe? Será que não somos mais um desses pesadelos de Deus?
E Deus existe?

5 comentários:

Jens disse...

Oi Marcelo.
Antes de tudo, Feliz 2009. Como a paz parece que foi pras cucuias (vide Gaza) e a prosperidade tá difícil (vide a crise econômica), resta a saúde. Então, saúde! (Desde que você não dependa do serviço público).
***
Deus, se existe, já desistiu da humanidade, aparentemente.
***
Um abraço.
Em 2009, pra cima com a viga!

Moacy Cirne disse...

E Deus existe? Eis a pergunta, ontem, hoje e sempre. Um abraço. Em um 2009 inesquecível pra você.

Loba disse...

Marcelo! Saudades, menino!
Que texto maravilhosamente escrito, professor! Embora o tema seja palpitante - guerra e Deus! Não discuto o segundo. Qto ao primeiro, os senhores da guerra, os responsáveis pela imensa crueldade que ela traz, são sempre todos os lados envolvidos. E que paga é o povo!
Parece que a História nada ensina, né?
Beijos, querido.

sandra camurça disse...

Se Deus existe?
Não sei mas creio na flor que nasce no asfalto, feia mas ainda assim uma flor... também estou a procura dela, Marcelo...
Beijo e abraço.

Vais disse...

Olá Professor Marcelo,
que em 2009 tenhamos menos violência, e fico numa estranheza desta violência em nós seres humanos dotados de uma razão que é usada para destruir TUDO em nome de que e pra quem, mas existe a esperança a força e a luta para dias mais tranquilos
beijo e tudo de bom