sábado, 7 de fevereiro de 2009

Aprovar quem não aprendeu?


Para chamar atenção sobre pesquisas irrelevantes, um bando de gaiatos de Harvard criou o prêmio Ignobel (um brasileiro já foi agraciado, por estudar o impacto dos tatus na arqueologia). De fato, esse é um problema clássico da academia. Como às vezes aparecem descobertas de valor na enxurrada de idéias que parecem bobas, todos se acham no direito de defender as suas. Diante disso, é reconfortante encontrar pesquisas colimando assuntos palpitantes e com resultados precisos e definitivos. Esse é o caso da tese de Luciana Luz, orientada pelo professor Rios Neto (UFMG), que examinou um problema fundamental: no fim do ano, o que fazer com um aluno que não aprendeu o suficiente? Dar bomba, para que repita o ano? Ou deixá-lo passar? O uso de dados longitudinais permitiu grande precisão na análise. A autora tratou os números com cuidado e sofisticação estatística. O cuidado aumenta a confiança nos resultados. Mas a sofisticação impossibilita que se faça aqui uma explicação acessível da análise estatística.
Contudo, a interpretação das conclusões é clara. A tese permite comparar um aluno que repetiu o ano por não saber a matéria com outro que foi aprovado em condições similares. Os números mostram com meridiana precisão: um ano depois, os repetentes aprenderam menos do que alunos aprovados sem saber o bastante. Tudo o que se diga sobre o assunto não pode ignorar o significado desses dados, que, aliás, corroboram o que foi encontrado pelo professor Naércio Menezes e por pesquisadores de outros países.
Ao que parece, para os repetentes, é a mesma chatice do ano anterior, somada à frustração e à auto-estima chamuscada. Andemos mais além da tese. Não reprovando, a nação economiza recursos, pois, com a repetência, o estado paga a conta duas vezes. E, como sabemos por meio de muitos estudos, os repetentes correm muito mais risco de uma evasão futura. Logo, ganha-se de três lados. Como a "pedagogia da reprovação" não funciona, a "promoção automática" é um mal menor.
A história não acaba aqui. A angústia de decidir se devemos aprovar quem não sabe torna-se assunto secundário, diante da constatação de que o aluno não aprendeu. Esse é o drama mais brutal do ensino brasileiro. Por isso, a discussão está fora de foco. Precisamos fazer com que os alunos aprendam. De resto, não faltam idéias nos países onde a educação dá certo. Por exemplo, na Finlândia – e mesmo no Uruguai – há professores cuja tarefa é dar uma atenção especial aos mais fracos. Por que se digladiam todos contra a "promoção automática", quando a verdadeira chaga é o fraco aprendizado? De fato, há uma razão. Grosso modo, três quartos da população brasileira é definida como de "classe baixa". Dada essa enorme participação, o que é verdade para seus membros é verdade para o Brasil como um todo. Mas há os 20% de classe média e alta. Para esses pimpolhos, a situação é diferente. Famílias de classe baixa são fatalistas, assistem passivamente à reprovação dos seus filhos. Se não aprenderam a lição, é porque "sua cabeça não dá". Já na classe média a regra é outra. Levou bomba? Antes zunia a vara de marmelo, depois veio o confisco da bola, da bicicleta ou do i-Phone. Santo remédio!
Reina a "pedagogia do medo da repetência". Essa é a arma dos pais para que o filho se mantenha por longo tempo colado à cadeira e com os olhos no livro. Cá entre nós, eu estudava por medo da bomba. É também a ameaça da bomba que permite aos professores forçar os alunos a estudar. Sem ela, sentem-se impotentes. Portanto, estamos diante de um dilema. O medo da repetência leva a minoria de classe média a estudar, para evitar os castigos. Pode não ser a pedagogia ideal, mas ruim não é. Já nas famílias mais modestas não há medo nem pressão para que os filhos estudem. O que há são as bombas caindo do céu e criando repetência abundante e disfuncional. Pouquíssimos países no mundo têm níveis tão altos de repetência como o nosso. Ao contrário de outros dilemas, esse tem solução clara, ainda que difícil. Basta melhorar a qualidade da educação para todos.
.
Claudio de Moura Castro
Revista Veja, ed.2091 - 12 de dez. de 2008 (pág. 24)

7 comentários:

Pensadora disse...

Boa postagem!

Concordo plenamente com o último parágrafo. Eu, como profissional da área de ensino, muitas vezes fico horrorizada ao dar aulas para alunos que acabaram de cursar o ensino médio e não sabem realizar operações matemáticas básicas.

A qualidade do ensino precisa melhorar. E este é o único caminho.

Abraços da Pensadora.

Cris disse...

Que tema, hein, Marcelo?Polêmico, repleto de dois lados da mesma moeda.Sinto-me em paz se o aluno absorveu o que eu ensinei , e isso dá para checar. Me empenho pra isso. O resto ( nota ), apesar de decisiva, é uma questão meramente burocrática.

Legal demais voce levantar essa bola. beijão .

Jens disse...

Pô, Marcelo, este é um pepino duro de descascar. Deixo para os profissionais da área. Só revelo que repeti de ano - uma única vez - por causa de meio ponto em inglês! Meio ponto mudou a minha vida, pois impus-me como punição estudar à noite e trabalhar durante o dia. Tinha 14 anos. Repetir o ano me ensinou alguma coisa, só não sei bem o quê.
Um abraço.

Roy Frenkiel disse...

Nao sei, viu, realmente um dilema, e apesar de nao ser especialista, ja sofri por bombas... Mas tambem reparo como, nos EUA, os alunos nao sofrem por bombas (o programa governamental "no child left behind"), e vejo que, infelizmente, isso nao resolve absolutamente nada. Pode ate ser o menos pior dos males, mas ainda assim, eh ruim. O dilema eh serio, mas a autora definiu bem a necessidade real em relacao ao sistema educacional: melhor qualidade de ensino. O resto eh resto.

abraxao

Roy

felippe-freitas disse...

Falou tudo Marcelo, mas o que se vê é o pouco interesse de nossos governos demagogos em cuidar da educação ou melhorar seu sistema pedagógico.Medidas como as de Brizola com os CIEPS são deixada as traças , mas a "aprovação automática" motivo de campanha para alguns prefeitos, que ao assumir dizem :Não é bem assim...

adelaide amorim disse...

Não adianta fugir, é preciso estudar para aprender. Mas a idéia de contratar professores especializados em alunos mais fracos parece muito boa, principalmente numa terra em que os professores sempre precisam de mais uma fonte de renda para sobreviver.
Eita terra complicada esse Brasil!
Beijo, Marcelo.

Halem Souza disse...

Continuo acreditando que a "progressão continuada" é uma política pública equivocada. Sua implantação nos diversos estados e municípios que a adotam foi feita sem a devida qualificação prévia dos docentes (inclusive com incremento salarial), melhoria da infra-estrutura e investimento no material didático-pedagógico.

Muitas pessoas que palpitam no meio educacional acham que basta a "boa vontade" de alguns professores abnegados para que a qualidade se instale, magicamente, na educação pública.

Um abraço, Marcelo.